Facção tinha tabela de preço para mortes do Governador e demais autoridades




Membros da facção cearense GDE estavam dispostos a matar autoridades políticas. Os criminosos tinham até uma tabela de preços, que variavam de R$ 3 mil a R$ 1 milhão. A informação é do jornal O Povo desta quarta-feira (11).

As autoridades mais visadas:

- Governador do Ceará, Camilo Santana: R$ 1 milhão;

- Secretário de Administração Penal, Mauro Albuquerque: R$ 500 mil;

- Deputado estadual Vitor Valim: R$ 300 mil;

- Secretário de Segurança, André Costa: R$ 100 mil.

Segundo o jornal, durante os ataques de setembro de 2019, a facção criminosa Guardiões do Estado (GDE) cogitou assassinar autoridades e agentes públicos como forma de retaliação ao endurecimento de procedimentos ocorridos nos presídios cearenses.

Ainda de acordo com a matéria de O Povo, as ameaças iam de “cabuetas” que trabalham com o “Governo e vereadores” ao governador Camilo Santana, passando por policiais, promotores e juízes.

Postar um comentário

0 Comentários