Greve dos Correios tem adesão de 70% dos trabalhadores



 Saiba o que fazer para não ter prejuízos com a demora da entrega de encomendas e boletos


A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (FENTECT) decidiu entrar em greve. Segundo a entidade, não há prazo para o fim da paralisação na estatal.

As agências dos Correios no Ceará estão funcionando, mas com a capacidade de atendimento e de entrega reduzida. Apenas 70% dos funcionários seguem trabalhando, o que pode afetar a entrega de correspondências, boletos e encomendas. 

O serviço é essencial para toda população e traz situações distintas no tocante à prestação do serviço. O asssessor jurídico do Decon, Ismael Braz, destaca algumas formas de contrato.

Existe ainda a situação em que o consumidor, durante a greve, adquire um produto pela internet. Segundo Ismael Braz, nesse caso a empresa onde a compra foi efetuada precisa cumprir o que foi acordado no ato da compra em relação à entrega, independente da greve dos Correios.

Caso a empresa não faça a entrega, Ismael Braz orienta que o consumidor reúna toda documentação necessária e abra reclamação nos órgão de defesa do consumidor.

A entrega de faturas e boletos de pagamentos como luz, energia e água, por exemplo, também podem sofrer atrasos com a greve. O indicado é o consumidor solicitar outra forma de pagamento. Caso o pedido não seja atendido, pode ser registrada reclamação no órgão de defesa do consumidor, sempre informando o número de protocolo dos contatos realizados com o credor.

Segundo os órgãos de defesa do consumidor, se a empresa não disponibilizar essas formas alternativas para pagar, deve prorrogar o vencimento da conta. Mas Ismael Braz, assessor jurídico do Decon, deixa claro que o não recebimento de fatura não implica em inadimplência. Reclamações no Decon podem ser feitas por meio da internet em mpce.mp.br/decon.


Cnews

Postar um comentário

0 Comentários