16 açudes sangram no Ceará



 Total de 16 açudes estão sangrando no Ceará, de acordo com dados do Portal Hidrológico, plataforma do Executivo estadual, de segunda-feira, 26. Desde o último dia 15 deste mês, três reservatórios novos atingiram sua capacidade máxima. São eles: Quincoé (Acopiara), Valério (Altaneira) e Rosário (Lavras da Mangabeira). Esse último é o terceiro açude com maior capacidade que sangrou neste ano, com cerca de 47,2 milhões de metros cúbicos (m³).


Além daqueles que já atingiram o volume máximo, sete açudes estão com volume acima de 90% de sua capacidade e 16 estão secos ou com volume morto — quando há água, mas não em nível suficiente para o abastecimento. Nos últimos sete dias, o maior aporte de água foi de mais de 18 milhões de m³ e ocorreu no açude de Araras, localizado no município de Varjota.

Os reservatórios de Orós e Castanhão, dois dos mais importantes para o abastecimento do Estado, seguem o ranking de açudes com maior aporte na última semana. No caso do Castanhão, responsável pelo abastecimento de municípios do Vale do Jaguaribe e da Grande Fortaleza, o volume segue crescendo ao longo das últimas semanas.

A três dias do fim de abril, nenhuma das macrorregiões do Estado atingiu a quantidade de chuva esperada para este mês, conforme dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). 

A situação mais crítica, com índice 62,5% abaixo da média histórica, é registrada no Litoral de Fortaleza, enquanto o melhor cenário até agora é encontrado no Cariri, onde as precipitações atingiram 75% do esperado.

Veja os municípios que estão sangrando no Ceará

- Acaraú Mirim (Massapê)

- São Vicente (Santana do Acaraú)

- Caldeirões (Saboeiro)

- Quincoê (Acopiara)

- Valério (Altaneira)

- Jatobá (Milhã)

- Angicos (Coreaú)

- Itaúna (Granja)

- Tucunduba (Senador Sá)

- Gameleira (Itapipoca)

- Quandú (Itapipoca)

- São Pedro Timbaúba (Miraíma)

- Germinal (Palmácia)

- Tijuquinha (Baturité)

- Rosário (Lavras da Mangabeira)

- Barragem do Batalhão (Crateús)

Com imformações do O Povo.

Postar um comentário

0 Comentários