Pai que sequestrou as filhas em Jijoca, usava documentos falsos




O homem que desapareceu com as duas filhas no último fim de semana, em Jijoca de Jericoacoara, utilizava três documentos de identidade e quatro CPFs falsos, segundo investigação da Polícia Civil do Estado do Ceará. 

Ele foi preso nesta quinta-feira (6) no município de Senhor do Bonfim, na Bahia. As meninas foram resgatadas e estão voltando ao Ceará.

Segundo o secretário da Segurança Pública do Ceará, Sandro Caron, a investigação sobre o suspeito teve início ainda no domingo (2), quando as meninas deveriam ter sido devolvidas à mãe e não foram.

A Polícia identificou que o pai das crianças já tinha antecedentes criminais por violência doméstica, estupro, ameaça e lesão corporal. "Então, como fruto desse trabalho, na data de ontem [quarta-feira], a Polícia Civil obteve a informação de que o pai estava com as crianças escondido numa casa alugada no município de Senhor do Bonfim, na Bahia", disse Caron, durante coletiva de imprensa na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), nesta tarde.

O trabalho foi conduzido pelo delegado Júlio César, de Jijoca de Jericoacoara, com apoio da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil do Ceará.

Após diligências ao local, o pai foi encontrado e preso. Ele foi autuado em flagrante por porte ilegal de armas, já que estava com um revólver calibre 38 e uma pistola calibre 22, e pelo uso de documentos falsos.

A investigação sobre o desaparecimento das crianças continuará e ele pode ser indiciado pela subtração ilegal das filhas. A partir dos documentos falsos, a polícia civil deve, ainda, chegar a possíveis outros crimes cometidos pelo pai.

"Nem a mãe tinha conhecimento desse passado, desse histórico de várias identidades. As crianças, por exemplo, foram registradas no nome falso do pai, ao que tudo indica, já que ele apresenta outro nome, que é o que ele usa normalmente, e foi preso com uma terceira identidade", detalha o delegado Edvando França, Diretor do Departamento de Inteligência da Polícia Civil do Ceará. 


Diário do Nordeste

Postar um comentário

0 Comentários