Em Itarema, mergulhador encontra peixe-leão na praia: 'Veio para perto de mim com os espinhos armados'





Um mergulhador encontrou um peixe-leão enquanto praticava pesca subaquática na Praia de Itarema, no litoral do Ceará. Em entrevista ao g1, Sérgio Bleasby relatou que estava a cerca de oito metros de profundidade quando se deparou com o animal a poucos centímetros do braço dele. O caso aconteceu em 2 de abril. No último dia 18, um pescador sofreu um acidente com um peixe-leão e precisou ser hospitalizado

Os peixes-leão já foram coletados em seis praias do Ceará, incluindo em Jijoca de Jericoacoara, e duas do Piauí, segundo a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). Até esta semana, 28 animais da espécie já foram retirados do mar. Além disso, 40 notificações já foram contabilizadas no litoral cearense.

"Quando olhei de lado ele estava a uns 40 centímetros do meu braço, então afastei um pouco e disparei contra o mesmo. Levei ele até o barco e avisei aos demais que tivessem o maior cuidado ao manusear o peixe, pois se tratava de um peixe-leão, uma espécie bastante venenosa", disse Sergio.

O mergulhador conta ainda que o peixe se armou com os espinhos para um ataque. Ele não se feriu e entregou o animal para profissionais do Instituto Federal do Ceará (IFCE).

"Assim que o peixe me viu, veio para perto de mim com os espinhos armados. Já conhecia a espécie e tive o maior cuidado possível em manusear", relatou.

Conforme biólogos, o peixe-leão é venenoso e prejudicial para o turismo, pesca e economia. Ele pode soltar veneno pelas nadadeiras dorsais, não possui predadores naturais e se reproduz rapidamente.

Itarema em alerta

O secretário de meio ambiente, turismo e cultura de Itarema, Thalles Walker, disse que a prefeitura está "em estado de alerta" com a coordenação de ações de monitoria e planejando ações de educação para a comunidade local.

"Nossa preocupação maior é porque Itarema é um grande produtor de pescados. E a gente tem comunidade que vive da pesca artesanal, da pesca de currais. E o peixe-leão é um predador muito voraz. Ele compromete a própria fauna que serve de alimento para o pescador, além do risco para banhistas e turistas. Então, por conta disso, a gente tem ficado em estado de alerta", disse.

Cuidados ao encontrar com o peixe-leão

Quem encontrar a espécie, deve evitar tocá-la. O ideal é que a pessoa se afaste e faça anotação da hora e do local do aparecimento do bicho, informando à Sema pelo e-mail cientistachefesema@gmail.com.

Em caso de ferimento com os espinhos do peixe-leão, a orientação é manter a área do corpo afetada em água quente por 30 a 90 minutos e, se houver febre, dor muito intensa e vestígio de infecção, buscar uma unidade de saúde para medicação adequada.



G1

 

Postar um comentário

0 Comentários