Ceará: Metade da população sofre com a falta de alimentos e passa fome





Metade dos cearenses sofre com a falta de alimentos e passa fome. É o que mostra um estudo da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Penssan), divulgado nesta quarta-feira (14).


Segundo o estudo, a população do estado sofre em vários níveis da insegurança alimentar:

26,3% da população cearense vive em uma insegurança alimentar grave, quando a família sente fome e não come por falta de dinheiro

26,3% dos cearenses vivem em insegurança alimentar moderada, quando há uma redução concreta da quantidade de alimentos e o padrão saudável de alimentação é rompido por falta de comida

29,3% sofre insegurança alimentar leve, quando há preocupação ou incerteza se vai conseguir alimentos no futuro

Em parâmetro regional, o Ceará é o quinto do Nordeste em relação a insegurança grave. Fica atrás de Alagoas (36,7%); Piauí (34,3%); Sergipe (30%) e Maranhão (29,9%).

Renda e endividamento

Além do grande número de atingidos pela fome, os pesquisadores constataram que o problema se agravou após a pandemia, com queda na renda das famílias e aumento do custo de vida.

Segundo o levantamento, as famílias com renda inferior a meio salário-mínimo por pessoa estão mais sujeitas à insegurança alimentar moderada e grave. Neste quesito o Ceará aparece na sexta posição no país.

Essa insegurança é verificada, entre os domicílios com esse perfil de renda:

Acre: em 65% dos domicílios
Pará: 67,6%
Maranhão: 72,0%
Sergipe: 76,5%
Piauí: 66,1%
Ceará: 65,2%
Rio de Janeiro: 61%
São Paulo: 58,4%
Santa Catarina: 65,7%
Rio Grande do Sul: 64,4%
Distrito Federal: 63,9%

Rosana Salles, professora do Instituto de Nutrição da UFRJ e pesquisadora da Rede Penssan, aponta que uma parcela significativa da população com renda de até meio salário-mínimo não foi contemplada pelo Auxílio Brasil.

"É uma parte da população que já sofre com a insegurança alimentar. A atual política pública deixa de fora famílias que estariam socialmente elegíveis ao recebimento de uma renda, e que estão em alta vulnerabilidade alimentar”, comenta em nota.

A pesquisa também aponta que a renda, que já vem se mostrando insuficiente para as necessidades básicas, vem precisando estar dedicada, também, aos custos com endividamento.

Com informações do G1 Ceará.

Postar um comentário

1 Comentários

Os comentários são de inteira responsabilidade do autor, e não expressam necessariamente a opinião dos editores do blogger