Bolsonaro diz que ligou para Putin neste domingo, para tratar acerca da Ucrânia





O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que conversou neste domingo (27) com o presidente da Rússia Vladimir Putin sobre a guerra do país contra a Ucrânia. Segundo ele, o Brasil irá adotar um posicionamento neutro, pois não quer "trazer as consequências do embate para o país". Quando questionado sobre os assuntos abordados com Putin, o presidente brasileiro afirmou que não daria detalhes sobre a conversa.

Ao ser questionado sobre o cerco que o exército russo faz na capital ucraniana, Kiev, Bolsonaro disse que é um "exagero falar em massacre" (leia mais abaixo). As declarações foram dadas durante entrevista coletiva à imprensa dentro do Forte dos Andradas, em Guarujá, no litoral de São Paulo, onde o presidente e sua comitiva estão hospedados para passar o feriado de Carnaval

Em uma sala improvisada no local, Bolsonaro conversou por cerca de 30 minutos e respondeu perguntas de jornalistas.

"O mundo todo está conectado que o que acontece a 10 mil km influencia no Brasil", disse. "Nós temos que ter muita responsabilidade, porque temos negócios, em especial com a Rússia. O Brasil depende de fertilizantes".

"Estive há pouco conversando com o presidente Putin, mais de duas horas de conversa. Tratamos de muita coisa, a questão dos fertilizantes foi das mais importantes. Obviamente ele falou alguma coisa sobre a Ucrânia, eu me reservo aí como segredo de não entrar em detalhes da forma como vocês gostariam", disse Bolsonaro.

O presidente também falou sobre o voto do Brasil na resolução da ONU. "Não tem nenhuma sanção ou condenação ao presidente Putin", garantiu. "O voto do Brasil não está definido e não está atrelado a qualquer potência. Nosso voto é livre e vai ser dado nessa direção [...]. A nossa posição com o ministro Carlos França é de equilíbrio. E nós não podemos interferir. Nós queremos a paz, mas não podemos trazer consequências para cá", defendeu o posicionamento.

Quando questionado se continuaria com discurso de neutralidade mesmo após o avanço das tropas russas por cidades da Ucrânia e possível mortes de civis, o presidente respondeu que "grande parte da população da Ucrânia fala russo". "São países praticamente irmãos. Um massacre de civis há muito tempo não se ouve falar. Não é tática de nenhum mundo fazer isso", respondeu.

Ao ser questionado sobre o cerco que o exército russo faz na capital ucraniana, Kiev, Bolsonaro disse que é um 'exagero falar em massacre'. "Eu entendo que não há interesse por parte do líder russo de praticar um massacre. Ele está se empenhando em duas regiões do Sul da Ucrânia que, em referendo, mais de 90% da população quis se tornar independente, se aproximando da Rússia. Uma decisão minha pode trazer sérios prejuízos para o Brasil", disse.

O presidente disse, ainda, que o povo "confiou em um comediante". "O comediante que foi eleito presidente da Ucrânia, o povo confiou em um comediante para traçar o destino da nação. Eu vou esperar o relatório da ONU para emitir a minha opinião", afirmou.

Bolsonaro defendeu o posicionamento neutro diante da guerra da Rússia contra a Ucrânia. "O mundo se preocupa com isso. Um conflito, ainda mais para a área nuclear, o mundo todo vai sofrer com isso aí. Então isso não interessa pra ninguém, seria um suicídio. Agora, nós devemos entender o que está acontecendo, no meu entender, nós não vamos tomar partido, nós vamos continuar pela neutralidade e ajudar no que for possível em busca da solução", disse.


G1

Postar um comentário

0 Comentários