Ceará: Duas pessoas são diagnosticados com a 'doença da urina preta' após comerem peixe contaminado



 

Um deles está internado em um hospital particular de Fortaleza desde a última quinta-feira (26), tratando a doença.



Dois homens foram diagnosticados com a Síndrome de Haff, conhecida como doença da urina preta, após consumirem peixe em uma barraca de praia em Paracuru, no litoral do Ceará. Em um deles, a doença evoluiu de forma mais grave, e o homem está internado em um hospital particular de Fortaleza, onde recebeu o diagnóstico.

O supervisor de vendas Marcello Russo Holanda afirma que ele e o amigo faziam uma viagem a trabalho quando pararam em uma barraca de praia em Paracuru e consumiram um peixe. Pouco tempo depois, os dois passaram a desenvolver os sintomas da doença. O amigo de Marcello, que recebeu o mesmo diagnóstico, faz o tratamento em casa.

"Comi um peixe numa barraca de praia e vim a ser contaminado com a enzima do peixe, que estava contaminado, doença conhecida como a 'urina preta'. O meu amigo que estava comigo também passou pela mesma situação, então são duas pessoas que foram contaminadas pela enzima do peixe arabaiana", relata Marcello. Ele gravou um vídeo falando sobre o caso do hospital onde está internado.

Marcello está internado desde a última quinta-feira (26). Nele, a doença da urina preta se manifestou de forma pior por ele ter um problema renal.

A Secretaria Estadual da Saúde do Ceará (Sesa), no entanto, informou que ainda não foi notificada sobre os casos e que, neste ano, nenhum caso da "doença da urina" foi confirmado oficialmente.

A doença

A principal suspeita é que a síndrome de Haff esteja relacionada a uma toxina que pode surgir em alguns pescados, como tambaqui, badejo e arabaiana ou crustáceos (lagosta, lagostim, camarão), caso eles não sejam acondicionados de maneira adequada.

Os sinais podem aparecer entre 2h e 24h após o consumo de um pescado contaminado e podem desaparecer em 72 horas.

Não é possível olhar um peixe e saber que ele está contaminado, já que a toxina não possui cheiro, cor e não muda a aparência do pescado. Por isso, é importante que os consumidores procurem saber se o peixe comprado foi bem conservado.

Pacientes devem procurar atendimento

O médico gestor em saúde, Álvaro Madeira, afirma que as pessoas que consumirem peixe e passarem a sentir algum sintoma da doença, procurem uma unidade hospitalar imediatamente

"Ela se dá com o consumo de peixes ou crustáceos que têm ali presente a toxina que não foi inativada pelo preparo. Essa toxina vai penetrar no organismo e ela vai levar a uma série de processos orgânicos, dentre elas, a alteração mais evidente de uma lesão muscular [...] um médico deve ser procurado diante dos sintomas", aconselha Madeira.

Veja algumas dicas antes de comprar ou consumir peixes


- escolher o pescado (fresco, refrigerado ou congelado) ao final das compras para não deixá-lo no carrinho, exposto ao calor;
- ao sair do local da compra, evitar transportá-lo por muito tempo, principalmente no porta-malas do carro;
- se tiver gelo no interior da embalagem, pode ser indício de descongelamento e recongelamento do produto, indicando problemas na conservação;
- não congele novamente um pescado que já foi descongelado;
- não descongele pescado em temperatura ambiente.

G1

Postar um comentário

0 Comentários