Empresário que morreu em Jeri visitava local pela 2ª vez: 'É muito doloroso', diz amiga



Rafael Antônio de Oliveira, 30 anos,foi retirado do mar por banhistas e pode ter sofrido mal súbito seguido de afogamento.




O empresário pernambucano Rafael Antônio de Oliveira, 30 anos, que morreu enquanto tomava um banho de mar em Jericoacoara, na manhã deste domingo (1º), visitava pela segunda vez a praia no litoral do Ceará, segundo um amigo que o hospedou. Amiga disse que Rafael era muito querido e a notícia da morte foi muito dolorosa.

A última postagem do empresário na rede social foi um vídeo em que ele aparece se divertindo em uma festa no último sábado (30).

Rafael foi retirado do mar por banhistas e uma médica que estava a passeio no local prestou os primeiros socorros, mas ele não resistiu. A profissional relatou aos bombeiros que foram acionados que há suspeita que o empresário tenha sofrido um mal súbito seguido de afogamento.

No entanto, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) informou, em nota, que um laudo pericial ainda vai ser emitido informando as circunstâncias da morte. 

O caso é tratado como "possível afogamento" e está sendo apurado pela Delegacia Municipal de Jericoacoara.

Conforme Jonathan Sandres, amigo que hospedou o empresário, Rafael costumava vir ao Ceará para passear e comprar mercadorias para a loja dele no Recife. Essa era a segunda vez dele em Jericoacoara, local que ele foi acompanhado de amigos, para participar de uma festa no sábado.

Ainda de acordo com Jonathan, a família de Rafael vem do Recife para o Ceará nesta segunda-feira (2), para fazer reconhecimento e a liberação do corpo.

A SSPDS disse que o empresário foi retirado do mar por banhistas. Equipes do Corpo de Bombeiros, do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur) da Polícia Militar do Ceará, da Polícia Civil e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) foram acionadas para a ocorrência.

Muito alegre e querido

Segundo Cibele Nascimento, amiga de Rafael, o empresário, que é filho único, era muito alegre e querido por todos.

"Ele era muito alegre, aquela pessoa que todo mundo gosta, que brinca com todo mundo e sempre está sorrindo para tudo. Todos os amigos não param de postar homenagens e desde ontem sentimos o dia cinza, porque era tanta alegria em um ser humano, que é muito doloroso acreditar", afirma Cibele Nascimento.

De acordo com a amiga do pernambucano, Rafael era muito batalhador e há pouco mais de um ano, quando foi demitido do emprego como segurança, abriu a própria loja de roupas.

"Usou a indenização para reformar a casa da mãe e construir uma pequena galeria com box de aluguel e abriu sua loja de roupas e acessórios", disse Cibele.

G1

Postar um comentário

0 Comentários