Justiça libera R$ 25,4 bi em precatórios do INSS para julho; Valores serão depositados na conta dos beneficiários até agosto



 


O Conselho de Justiça Federal (CJF) liberou R$ 25,4 bilhões para pagamento de precatórios, qie são as dívidas judiciais do governo federal acima de 60 salários mínimos (R$ 72.720). A maior parte dos pagamento será destinada aos segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Tem direito a um precatório aquele na qual ação já concluída, com pagamento definido pela Justiça e com atrasados acima de 60 salários mínimos.

Segundo o ministro Humberto Martins, presidente do CJF, ofícios foram encaminhados aos cinco Tribunais Regionais Federais, os responsáveis pelo processamento das ações judiciais.

O dinheiro será liberado conforme o cronograma de desembolso mensal da Justiça Federal. “A programação financeira necessária para o atendimento do pagamento dos precatórios federais, no valor aproximado de R$ 25,4 bilhões, referente ao exercício de 2022, será encaminhada aos respectivos TRFs no mês de julho”, disse, por nota, o CJF.

Apesar de o depósito aos tribunais estar previsto para acontecer até julho, o dinheiro só será repassado aos contribuintes em agosto.

“A efetiva disponibilização dos valores na conta dos beneficiários, em face dos procedimentos administrativos internos nos tribunais e instituições financeiras, está prevista para ocorrer até a primeira quinzena do mês de agosto”, segundo o CJF.

Os valores a serem pagos observam o limite estabelecido nas emendas constitucionais 113 e 114, da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios e estão sob a responsabilidade da Justiça Federal.

O texto da PEC prevê um limite anual para o pagamento de precatórios, com os “valores atrasados” corrigidos pela Selic, a taxa básica de juros da economia.

Quem tem direito a receber?

Terá direito a receber os precatórios, de 2022, quem teve o atrasado liberado pela Justiça entre 2 de julho de 2020 e 1º de julho de 2021.

Para saber se você está contemplado, é preciso consultar o site de um dos cinco TRFs (tribunais regionais) onde a ação tramita.

Na consulta, geralmente, é preciso informar o número do processo, o nome do advogado (a) e outros dados que variam entre os TRFs.


Ceará Agora

Postar um comentário

0 Comentários