Após busca e apreensão na casa de Tirullipa, assessoria emite nota





O humorista Tirullipa recebeu policiais em sua casa no condomínio Alphaville, em São Paulo, na última quarta-feira (13/7) em uma investigação contra a empresa de apostas esportivas Betzord. É investigado um suposto crime contra economia popular e associação criminosa, que configura lavagem de dinheiro. Nesta quinta-feira (14/7), por meio das redes sociais do humorista, a defesa de Tirullipa emitiu uma nota sobre o caso.

Assinado pelos advogados Caio Sanas e Jamilson de Morais Veras, o comunicado alega que Tirullipa não possui qualquer vínculo com a empresa, tendo feito apenas uma ação publicitária em 2021. Os advogados também afirmam que o humorista não é investigado no inquérito.

A coluna Leo Dias descobriu que foram encontradas e apreendidas quatro folhas de cheque preenchidas no valor de R$ 30 mil, R$ 27.601 (vinte e sete mil e seiscentos e um reais) em notas de dinheiro, quatro agendas com anotações, duas folhas com vários nomes de pessoas distintas, uma folha manuscrita a caneta constando o nome de nascimento de Tirullipa, Everson de Brito Silva, e informações a serem incluídas em seu Imposto de Renda, anotações sobre despesas com aluguel e condomínio, um aparelho celular, declaração de faturamento, contrato de locação residencial e um contrato de gerenciamento de marca. No entanto, a assessoria afirmou no comunicado que os itens apreendidos já estão sendo devolvidos, sem especificar quais.

Leia o comunicado na íntegra 

“Em atenção ao que vem sendo vinculado na mídia acerca do cumprimento do mandado de busca e apreensão na residência do humorista Tirullipa, a assessoria jurídica do artista informa que o mesmo não possui qualquer envolvimento com a empresa investigada por suposto crime contra economia popular e associação criminosa. Além disso, não configura como investigado no inquérito.

Vale destacar que o artista realizou apenas uma ação de divulgação pontual e única, no ano de 2021, para a empresa investigada.

Ressalta-se ainda, que todos os valores e itens apreendidos em sua casa são provenientes de seu trabalho, legalmente declarados e já estão sendo devolvidos ao artista, que segue contribuindo com a investigação e à disposição da Justiça”.


Metropole

Postar um comentário

0 Comentários