Laudo aponta que mulher que teve relação sexual com sem-teto sofreu transtornos psicóticos





Laudo médico da mulher de 33 anos que teve relação sexual com o morador de rua Givaldo Alves, 48 anos, em Planaltina, no Distrito Federal, aponta "transtorno afetivo bipolar em fase maníaca e psicótica", segundo informações do portal Metrópoles, que teve acesso ao documento.

O psiquiatra responsável pelo tratamento de Sandra no Hospital Universitário de Brasília (HUB) apontou o código F31.2 CID-1O, da Classificação Internacional de Doenças (CID), para especificar o quadro.

São apresentadas no documento características como "alucinações auditivas, delírios grandiosos e de temática religiosa, hipertimia, falso reconhecimento, comportamentos desorganizados e por vezes inadequados", conforme o site.

Entre os comportamentos impróprios, estão "gastos excessivos, doação de seus pertences, resistência em se vestir e hiperreligiosidade".

O laudo é do dia 15 de março, um dia após ela dar entrada no Hospital Universitário de Brasília, após passar por outro centro médico. O ato sexual com o morador de rua aconteceu na noite de 9 de março.

Na quinta-feira (24), a Justiça pediu o documento médico sobre a saúde da mulher. O relatório deve basear a decisão de nomear outra pessoa para representar a mulher no processo judicial sobre o caso. A decisão médica é de que ela "não é capaz de responder por si".

O documento afirma ainda que a mulher está em tratamento psicofarmacológico e em terapia antirretroviral profilática e sem previsão de alta.


Fonte: diário do nordeste

Postar um comentário

0 Comentários